Translate

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Anos 90 - Da Derrocada a Retomada

Os anos 90 trouxeram novidades de todos os tipos a plataforma Mainframe.  Da derrocada da plataforma, que parecia iminente e irreversível no início da década , à  transformação e retomada do mercado no final da mesma.

O modismo do Downsizing e a onda Client/Server penetraram nas empresas com força total, arrasando a base instalada de Mainframes, parecia que nada faria parar essa tendencia.



Com a redução continua do mercado, o custo de fabricação do Mainframe passou a sofrer da falta de economia de escala, o alto custo ficava muito aparente quando comparado com as demais plataformas, o que contribuía para alimentar mais ainda o argumento do Downsizing.

Para dar uma sobre-vida a plataforma, a IBM tomou uma decisão estratégica de altíssimo impacto e de altíssimo risco, mas não havia alternativa.

Com o objetivo de reduzir os custos de fabricação, em 1993/1994 a IBM mudou o chip do mainframe, saindo da tradicional  tecnologia Bipolar, já no limite de sua capacidade de crescimento, mais cara e de alto aquecimento, pela tecnologia CMOS, que trazia uma serie de vantagens econômicas em relação a anterior.

Apesar das vantagens do chip CMOS, existia uma desvantagem muito significativa em relação ao chip Bipolar  no aspecto capacidade de processamento.

Por ser uma tecnologia mais madura, o chip Bipolar já havia alcançado uma alta capacidade de processamento, ao passo que as novas maquinas com chip CMOS   eram de baixa capacidade de processamento, o que representava um problema para as empresas que demandavam alta capacidade.

Para resolver esse problema, a IBM desenvolveu uma arquitetura de Clusterização de máquinas, de modo a possibilitar que o cluster de máquinas CMOS pudesse alcançar a capacidade de uma máquina Bipolar.

Essa arquitetura de Clusterização foi denominada de Parallel Sysplex,  caracterizada pelo conceito de Share Everything, ou seja, todos os recursos do Cluster são compartilhados entre seus membros.

Além de resolver a questão de capacidade de processamento ,  o Parallel Sysplex trouxe a reboque o benefício da alta disponibilidade do complexo, o que passou a ser item requerido pelas principais empresas.

É verdade que essa mudança de tecnologia do chip estancou um pouco a sangria, mas não gerou crescimento.

O crescimento da plataforma veio mais tarde , por volta de 1997/1998, com o surgimento da Internet e as novas tecnologias como o Java, servidores Web, TCP/IP e mais tarde o Linux.

As empresas rapidamente se sentiram atraídas a usar a Internet como meio de fazer negócios , o e-business como foi denominado na época, e a IBM percebeu nisso a oportunidade de lançar essas novas tecnologias para o Mainframe e reposicionar a plataforma para a nova onda que surgia.

Essa mudança estratégica foi fundamental para a  retomada e ressurgimento do Mainframe, que aliou suas tradicionais capacidades e tecnologias com as novas  da Internet, obtendo o melhor dos dois mundos.

Já no início dos anos 2000, com o  suporte ao sistema operacional Linux, que se tornava muito popular no mundo corporativo, a plataforma Mainframe deu novo salto de crescimento, atraindo  um número significativo de novos clientes e um grande número de provedores de soluções, firmando-se nesse novo mercado.